caso do dia (1080 x 500 px) (1080 x 400 px) (3).jpg

Radiografia

Uma das técnicas de diagnóstico por imagem mais utilizadas na medicina veterinária por ser rápida, barata e pouco invasiva, além de auxiliar o diagnóstico de grande partes das doenças osteoarticulares, torácicas e abdominais que acometem os animais de companhia.

Orientações Gerais

Os exames devem ser pré-agendados e são realizados somente com requisição do médico  veterinário responsável.

Gestantes e menores de 18 anos de idade não podem permanecer na sala durante a realização do exame.

Pedimos que os animais estejam acompanhados de duas pessoas para ajudar na realização do exame.

INDICAÇÕES DA RADIOGRAFIA

O exame radiográfico tem uma ampla indicação no auxilio ao diagnóstico das afecções osteoarticulares, torácicas, abdominais e dos tecidos moles.

Normalmente a radiografia é a primeira ferramenta de imagem a ser solicitada por ser rápida, barata e pouco invasiva, além de auxiliar a ultrassonografia e de ser indicada antes do exame de ressonância magnética ou tomografia computadorizada.

A sobreposição de estruturas é o principal fator prejudicial no diagnostico de lesões por meio de uma feramente unidimensional como a radiografia, por isso, é muito importante que sejam feitas no mínimo 2 ou 3 projeções para uma boa avaliação.

 

Mesmo assim, o exame radiográfico pode ter uma baixa sensibilidade na identificação e localização de lesões iniciais, muito pequenas (menores que 5mm) ou demasiadamente grandes.

Em alguns casos pode ser necessário o uso de sedação ou anestesia para contenção e controle da dor ou tensão muscular.

TÓRAX:

PULMONARES: neoplasia (primária ou metastática), pneumonia, edema pulmonar cardiogênico e não cardiogênico, hemorragia, contusão, inflamação, abscesso, granuloma, alteração senil, endócrina e metabólica.

A ultrassonografia pode auxiliar a radiografia nos diferenciais de neoplasias e consolidações pulmonares e orienta a citologia do parênquima pulmonar lesionado que esta em contato com a caixa torácica. 

MEDIASTINAIS: linfonodomegalia, neoplasia, pneumomediastino, abscesso, granuloma.

ultrassonografia orienta a citologia e permite avaliar o parênquima de neoplasias demasiadamente grandes, principalmente quando estão localizadas no mediastino cranioventral.

CARDÍACAS: cardiomegalia, neoplasia, derrame pericárdico.

O ecocardiograma é indicado para o diagnóstico de disfunções cardíacas e valvares, cardiomegalias, neoplasias e derrame pericárdico.

VASCULARES: hipervascularização, hipovascularização e mineralização.

PLEURAIS: derrame pleural, pneumotórax, neoplasia.

A ultrassonografia orienta a punção do derrame pleural e permite avaliar de uma forma limitada o parênquima pulmonar que não pôde ser visto pela radiografia.

ESOFÁGICAS: corpo estranho, neoplasia, megaesôfago, estenose, granuloma, dilatação segmentar por anomalia de anel vascular, hérnia de hiato, intussuscepção gastroesofágica.

O exame contrastado (esofagograma) pode auxiliar no diagnóstico diferencial de algumas lesões.

TRAQUEAIS E BRONQUIAIS: colapso, estenose, hipoplasia, dilatação, bronquite, broncoespasmo, bronquiectasia.

DIAFRAGMÁTICA: ruptura e hérnia.

A ultrassonografia é indicada para auxiliar o diagnóstico.

                                   

CAIXA TORÁCICA: neoplasia, fratura, alteração senil e metabólica.

IMPORTANTE: a radiografia é contra indicada em casos de dispnéia grave ou dor intensa.

OBS.: A radiografia avalia a cavidade torácica de uma maneira panorâmica e tem uma boa sensibilidade para lesões pulmonares, cardíacas, mediastinais, esofágicas e das vias aéreas.

 

O exame radiográfico pode ter uma baixa sensibilidade na identificação e localização de lesões pequenas (menores que 5mm) ou muito grandes e deve ser realizado antes do exame de tomografia computadorizada do tórax que é a ferramenta mais sensível para a avaliação da cavidade torácica.

 

O ultrassom não consegue avaliar o parênquima pulmonar íntegro ou lesões pulmonares distantes da caixa torácica.

 

ABDÔMEN: 

TRATO URINÁRIO: organomegalia, cálculo, mineralização, obstrução, ureter ectópico, divertículo, neoplasia, ruptura ureteral, uretral ou da bexiga urinária, processo inflamatório.

A ultrassonografia e o exame contrastado (urografia excretora, cistografia e uretrocistografia) é indicado para o diagnóstico diferencial de algumas lesões supracitadas.

TRATO GASTRINTESTINAL: íleo paralítico (funcional) ou mecânico (corpo estranho, intussuscepção, neoplasia, etc.), torção gástrica ou de mesentério e ruptura.

A ultrassonografia e o exame contrastado (gastrograma, transito gastrintestinal e enema de bário) é indicado para o diagnóstico diferencial de algumas lesões supracitadas.

TRATO REPRODUTOR: contagem de fetos, organomegalia (uterina, prostática), neoplasia.

A ultrassonografia é indicada para o diagnóstico diferencial de algumas lesões supracitadas.

PERITÔNEO: hérnia, eventração, gás ou líquido peritoneal,  neoplasia.

A ultrassonografia é indicada para o diagnóstico diferencial de algumas lesões supracitadas.

FÍGADO, BAÇO E OUTROS ÓRGÃOS: organomegalia, cálculo, mineralização, neoplasia.

A ultrassonografia é indicada para o diagnóstico diferencial de algumas lesões supracitadas.

OBS.: a radiografia é um exame estático, capaz de avaliar a topografia, tamanho e formato, mas não consegue avaliar o parênquima dos órgãos abdominais e tem a ultrassonografia como principal aliada no diagnóstico das alterações abdominais.

 

Por ser um exame panorâmico, ele é bastante indicado para localização de corpos estranhos ou contagem de fetos.

Com o uso do contraste, é possível avaliar a função qualitativa dos rins ou o local de inserção dos ureteres na bexiga urinária na busca por ureter ectópico.

 

A tomografia computadorizada também é uma ferramenta bastante indicada principalmente como exame pré cirúrgico de lesões detectadas pela radiografia e ultrassonografia.

 

OSTEOARTICULAR:

CRÂNIO: alterações nos dentes, nas vias aéreas (cavidade nasais, seios frontais, faringe e laringe), bulas timpânicas, articulações temporomandibulares, mandíbulas, maxilas e na calota craniana - fratura, luxação, corpo estranho, neoplasia, etc. 

OBS.: A radiografia não é indicada na suspeita de alterações cerebrais. O Ultrassom apresenta uma avaliação muito limitada do crânio. A tomografia computadorizada e a ressonância magnética são as ferramentas mais sensíveis para avaliação do crânio.

 

COLUNA VERTEBRAL:

DEGENERATIVAS: discopatia, hérnia de disco, espondilose deformante.

CONGÊNITAS: vértebra de transição, hemivértebras, cifose, escoliose e lordes, fusão de corpo vertebral, espinha bífida.

INFECCIOSAS: espondilite e discoespondilite.

NEOPLÁSICAS: primária ou secundária (metastática).

TRAUMÁTICA: luxação e fratura.

OBS.: A radiografia simples não é capaz de visualizar a medula espinhal, feixes nervosos ou ligamentos.

 

Em alguns casos, é indicado o exame contrastado (mielografia), a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética para o diagnóstico de compressões medulares.

 

A tomografia computadorizada e a ressonância magnética são as ferramentas mais sensíveis para avaliação da medula espinhal, entretanto, a radiografia sempre deve ser realizada antes desses exames.

 

ARTICULAÇÕES DOS MEMBROS TORÁCICOS E PÉLVICOS:

Luxação, fratura, atrose, artrite, neoplasia, osteocondrose, displasia coxofemoral e do cotovelo, necrose asséptica da cabeça femoral, ruptura do ligamento cruzado do joelho.

OSSOS DOS MEMBROS TORÁCICOS E PÉLVICOS:

Fratura, neoplasia, osteomielite, panosteíte.

OBS.: O ultrassom é indicado para auxiliar o diagnóstico de algumas alterações articulares, principalmente dos ombros e joelho e em animais de grande porte. O ultrassom também é indicado para orientar a citologia ou coleta de líquido sinovial. 

 

A tomografia computadorizada e a ressonância magnética são as ferramentas mais sensíveis para avaliação articular e dos osso longos.

 

TECIDOS MOLES:

Hérnia, eventração, neoplasia, edema, enfisema, abscesso, mineralização.

OBS.: O ultrassom é indicado para auxiliar o diagnóstico de algumas alterações nos tecidos moles, além de orientar a citologia e punção.

 

A tomografia computadorizada e a ressonância magnética são as ferramentas mais sensíveis para avaliação dos tecidos moles, principalmente como exame pré cirúrgico de lesões detectadas pela radiografia e ultrassonografia.

 

EXAMES CONTRASTADOS:

UROGRAFIA EXCRETORA: é o exame que fornece informações sobre a função qualitativa dos rins e a patência do trato urinário superior (rins, ureter e bexiga) . É contraindicado em pacientes desidratados e azotêmicos. 

Preparo do exame: Jejum de 24 horas de alimento sólido e 12 horas de alimento pastoso. 

CISTOGRAFIA E URETROCISTOGRAFIA: é o exame indicado para avaliação do trato urinário inferior (bexiga e uretra).

ESOFAGOGRAMA é o exame indicado para avaliar o trajeto e o lúmen do esôfago. 

GASTROGRAMA E TRÂNSITO GASTROINTESTINAL: é o exame indicado para avaliar o preenchimento e esvaziamento do estômago e o trânsito intestinal.

Preparo do exame: Jejum de 24 horas de alimento sólido e 12 horas de alimento pastoso. 

 

IMPORTANTE: O exame radiográfico é uma ferramenta complementar de diagnóstico por imagens que seve ser utilizada com critério. A associação do exame clínico com o exame radiográfico é de fundamental importância para o diagnóstico das doenças que acometem os animais de companhia.